top of page
  • Foto do escritorAnna Naylor

Performance genial de Mia Goth é destaque no macabro e audacioso 'Pearl' [REVIEW]

Situado em 1918, Pearl sonha em fugir da fazenda de sua família. O marido dela está na guerra. Ela vive com sua rígida mãe alemã e é forçada a cuidar de seu pai doente. No entanto, Pearl é uma sonhadora; ela passa seu tempo se esquivando de responsabilidades, indo ao cinema ou dançando pelo celeiro e em casa. Mas algo está muito errado com Pearl - seus instintos assassinos emergem sempre que alguém ameaça atrapalhar seus sonhos.


West, que co-escreveu Pearl com Mia Goth, meticulosamente injeta muitos easter eggs de X para aprofundar ainda mais as duas histórias - como a propensão de Pearl para alimentar jacarés, e muitos outros mais sutis, como a inclusão de uma cadeira de rodas ou sua bicicleta. Mas se você esperava que o prequel desenvolvesse ainda mais o relacionamento perturbado e amoroso entre Pearl e Howard, esta é a história de Pearl - ou melhor, essa história é da Mia Goth.


Se X era uma vitrine para os talentos de Goth enquanto ela fazia uma dupla função, Pearl dobra seus talentos de uma maneira diferente. Pearl passa de uma sonhadora ingênua à uma assassina que finalmente aceita quem ela é, e que fica ainda mais perturbadora toda vez que tenta mascarar essas partes aterrorizantes de si mesma. Mas o momento mais impressionante de Goth, e de todo o filme, é o monólogo confessional insanamente longo (9 minutos!!) que passa por uma ampla gama de emoções.


Céus vibrantes e cenários pintados para elaborar números de dança, tudo com uma trilha sonora arrebatadora, contrastando com os momentos de terror mais chamativos e macabros - West e Goth jogam de acordo com suas próprias regras aqui, estilisticamente e narrativamente.


West usa suas influências cinematográficas para criar algo único e audacioso, e Goth se solta com uma performance desenfreada. É muito diferente de X e sua estrutura slasher: é menos sobre a contagem de corpos, embora haja muitas mortes violentas e sangrentas, e mais sobre o lento desenrolar de uma mente que estava um pouco quebrada desde o início.


★★★★✩

54 visualizações0 comentário

Commenti


bottom of page