Demorou 15 anos, mas Vampire: The Masquerade - Bloodlines 2 está chegando!

A partir do momento em que a Paradox, distribuidora de jogos conhecida por Crusader Kings e Pillars of Eternity, comprou a White Wolf, a editora de RPG conhecida pelas séries Mundo das Trevas e Crônicas das Trevas, uma coisa era certa: em algum momento haveria um retorno do Mundo das Trevas aos games. Na última quinta-feira, dia 21/3/2019, Vampire: The Masquerade — Bloodlines 2 foi oficialmente anunciado, após 15 anos desde o primeiro.


Vampire: the Masquerade (Vampiro: a Máscara, no Brasil) foi um RPG de mesa lançado em 1991, e foi o primeiro jogo do Mundo das Trevas, uma franquia de RPG de terror urbano que dominou o mercado na década de 1990. Cada linha de jogos coloca o jogador como pertencente a um grupo de seres sobrenaturais, como vampiros, lobisomens, magos, entre outros, que fazem parte de uma conspiração que guia a humanidade desde seu início.

Com o sucesso dos jogos analógicos, trazer a franquia para o digital era uma questão de tempo. O primeiro a sair, Vampire: The Masquerade — Redemption, recebeu críticas medianas e, de maneira geral, não causou grande impacto. Dois jogos baseados na linha Lobisomem entraram em desenvolvimento, mas foram cancelados. Foram lançados três jogos para consoles sobre os Hunters, uma linha menos conhecida que não chegou a ser trazida oficialmente para o Brasil. Mas nenhum deles se compara ao que foi Vampire: The Masquerade – Bloodlines.

O primeiro Bloodlines foi lançado em 16 de novembro de 2004, uma das datas com o maior número de lançamentos marcantes da história dos videogames. Para citar alguns, Half-Life 2, Halo 2 e Metal Gear Solid 3 foram lançados nesse dia. O jogo foi desenvolvido pela Troika Games e publicado pela Activision. Sob o ponto de vista comercial, foi um completo e absoluto fracasso, resultando no fechamento de sua desenvolvedora. Mas, se fosse só isso, não estaria aqui, quinze anos depois, falando sobre uma muito esperada sequência.

O game teve um desenvolvimento complicado, e o escopo do projeto acabou sendo muito maior do que os desenvolvedores estavam esperando e maior do que todos os jogos semelhantes na época. O resultado disso foi o adiamento frequente de sua data de lançamento, e, mesmo assim, jogo foi lançado incompleto, por ordem da Activision.  

Nessa narrativa, o jogador controla um vampiro “recém-abraçado” (transformado). Como esse “abraço” não foi sancionado pelo “príncipe” da cidade (o líder da Camarilla, uma das facções vampíricas), o personagem teria sido executado se não fosse pela intervenção da líder dos Anarquistas, outra facção. A partir de então, o neonato é jogado em uma rede de intrigas entre as quatro facções vampíricas presentes no universo do jogo e deve decidir em qual, ou se, confiar.


O que se sobressai no jogo, e o fez ser considerado um dos maiores RPG de todos os tempos pelos críticos, é a sua estrutura narrativa e o nível de escolha que o jogador tem no game. Embora as missões principais devam ser cumpridas para se avançar, o jogador tem a liberdade de explorar as missões opcionais da maneira que quiser, e há cinco finais possíveis, dependendo das decisões tomadas na narrativa.

Mesmo tendo vendido apenas 72.000 cópias em seu lançamento oficial (um número irrisório comparado às vendas de Half-Life 2, que foi de 6 milhões e meio), Bloodlines encontrou uma comunidade dedicada o suficiente para que um fã tentasse restaurar o jogo ao que deveria ter sido, caso tivessem conseguido desenvolvê-lo até o final. A versão atual presente na loja online GOG contém parte dos patches feitos por esse fã e tem a aprovação dos desenvolvedores originais, que afirmaram que o patch aproxima o jogo do que ele deveria ter sido.

Bloodlines foi o último jogo digital do Mundo das Trevas por um bom tempo. E por vários motivos, não havia esperanças de uma continuação, já que a Gehenna havia chegado, e o mundo, acabado. Mas, com o lançamento da edição de aniversário de vinte anos do RPG de mesa, ressuscitando o World of Darkness em 2011, as coisas começaram a melhorar.

A White Wolf ficou por um tempo como parte da CCP Games, a desenvolvedora do EVE Online, um MMORPG de simulação espacial. Durante esse tempo, um jogo online, World of Darkness Online, ficou em produção, mas não foi a lugar algum e acabou sendo cancelado.

Em 2015, a Paradox Interactive compra White Wolf da CCP, com objetivo expresso de lançar jogos digitais baseados nas propriedades intelectuais da editora. A partir desse anúncio, os fãs passaram a esperar o Bloodlines 2 ou algo semelhante. Embora o primeiro título digital lançado pela Paradox baseado no Mundo das Trevas tenha sido uma dupla de narrativas interativas, a espera não foi em vão, já que finalmente chegamos aqui.


Vampire: The Masquerade — Bloodlines 2 foi anunciado oficialmente no dia 21/3/2019 na GDC, uma das maiores conferências de desenvolvedores de jogos do mundo. O painel do anúncio durou aproximadamente vinte minutos e contou com membros da equipe explicando a origem do projeto e algumas das mecânicas a se esperar para o produto final.

Os desenvolvedores prometem uma sequência que tenha o mesmo sentimento do original, mas acomodando os 15 anos de evolução no mercado de jogos e, assim como o primeiro, a liberdade de se criar a própria história dentro do mundo do jogo. O trailer, apesar de ser todo cinemático, nos mostra o novo cenário: uma Seattle chuvosa e misteriosa, com os seus habitantes mortos-vivos se deliciando em sangue, tanto em becos escuros e sujos, quanto em apartamentos luxuosos.

Embora o Hardsuit Labs, o estúdio responsável, seja pouco conhecido, a presença do escritor-chefe do jogo original como diretor de narrativa, Brian Mitsoda, dá alguma segurança que o projeto siga com a espírito do original. A Paradox já lançou RPG eletrônicos de sucesso, como o já citado Pillars of Eternity, e tem em seu catálogo um diamante escondido, o Tyranny, então, o controle de qualidade dela é bom. Entretanto, também tem um modelo de negócios um tanto quanto complicado, lançando diversas versões de luxo diferentes e focando bastante em DLCs. Isso é logo percebido, pois o jogo já está na pré-venda e com duas edições digitais de luxo diferentes.

Apesar de ter sido anunciado bem recentemente, e com data de lançamento estimada para o início de 2020, Vampire: The Masquerade — Bloodlines 2 já está entre os jogos mais vendidos do Steam: terceiro lugar no Brasil e segundo no mundo, no momento em que estou escrevendo. Boa parte disso se deve à estratégia de marketing da Paradox, que já vinha insinuando que o anúncio seria feito na GDC. Mas, com certeza, outra boa parte também se deve ao hype e a esperança que o Bloodlines 2 seja tudo o que o seu antecessor almejava e mais do que ele realmente foi.
Demorou 15 anos, mas Vampire: The Masquerade - Bloodlines 2 está chegando! Demorou 15 anos, mas Vampire: The Masquerade - Bloodlines 2 está chegando! Reviewed by Unknown on março 27, 2019 Rating: 5

Nenhum comentário

Masterchef

About Me
Munere veritus fierent cu sed, congue altera mea te, ex clita eripuit evertitur duo. Legendos tractatos honestatis ad mel. Legendos tractatos honestatis ad mel. , click here →