10 Semanas de Terror | Semana 9 com Larissa Limas

Oi, eu sou a Larissa, uma das colaboradoras aqui do blog/criadora do especial '10 Semanas de Terror' e hoje é o meu top 10! Foram oito semanas com convidados maravilhosos, entrevistas incríveis e muito aprendizado, e agora para fechar, nós aqui do blog faremos o nosso top 10. E claro, todas as outras entrevistas você pode conferir aqui.

Eu nunca fui muito fã de terror, sempre optei por ficção científica e sempre me privei de sentir medo até que eu descobri no terror um dos meus gêneros preferidos que eu consigo enxergar um pouco da minha personalidade e ver estampado na tela o que eu sinto. O terror tem na minha vida a função de me fazer ver com normalidade o que eu julgava "feio" e "monstruoso" em mim. Mas preciso adiantar que não sou fã de clássicos haha.

TOP 10 LARISSA LIMAS



1. The VVitch (Robert Eggers, 2015)

Em uma fazenda no século 17, uma histeria religiosa toma conta de uma família que acusa a filha mais velha pelo desaparecimento do seu irmão ainda bebê. (Wikipedia)

Esse filme me surpreende toda vez. Já perdi a conta de quantas vezes o assisti mas a qualidade dele consegue me ganhar sempre como se fosse a primeira vez que eu estivesse o vendo. A fotografia desse filme me faz sentir vontade de pegar uma coberta, passa um frio, um desconforto... Mas a ambientação, o roteiro, a veracidade com que a lenda da bruxa é entregue é o que torna esse filme genial. O medo que se sente ao ver esse filme não é por causa da figura da bruxa ou do diabo, mas é o medo do desconhecido, o medo da descoberta.

2. Get Out (Jordan Peele, 2017)

Um jovem fotógrafo descobre um segredo sombrio quando conhece os pais aparentemente amigáveis da sua namorada. (Wikipedia)

Um filme genial merece ser chamado de genial quantas vezes for necessário. Eu sou uma mulher negra que soube desde pequena o que era o racismo, enquanto o mundo parece estar acordando agora para tal assunto. Vê-se muitos filmes e documentários sobre a escravidão, sobre a segregação nos Estados Unidos, sobre o Apartheid na África do Sul mas as pessoas estão se esquecendo de comentar das mazelas do racismo de hoje. O que acontece é que hoje o racismo é mal visto, a agressão, as ofensas já são descabidas para a nossa sociedade, então isso deu espaço para o racismo velado, que é tão violento quanto. Violência transvestida de elogio, de piada, mas que no fundo é só mais uma forma de oprimir e segregar. Não acho que um gênero case melhor com o racismo do que o terror, e eu como fã de ficção científica abracei esse filme em cada pedacinho que ele traz. 

3. Twin Peaks (David Lynch, 1990 - 2017)

O agente do FBI Dale Cooper viaja para a pequena cidade de Twin Peaks para investigar o assassinato da jovem Laura Palmer, e conhece um mundo onde as aparências enganam. (Wikipedia)

Eu me tornei o tipo de pessoa que em toda conversa precisa falar de Twin Peaks. Twin Peaks tem tudo que todo mundo gosta: café de qualidade, torta fresquinha, mistério, assassinato, possessão demoníaca e principalmente David Lynch. Uma produção que esperou 25 anos para ser finalizada e mesmo assim as pessoas esperaram e se surpreenderam com o que foi entregue. A terceira temporada traz momentos de emoção como a Audrey dançando, a morte da Log Lady, e momentos de contemplar a grandiosidade de David Lynch como no oitavo episódio, que inclusive foi exibido em festivais antes de sua estreia e recebido com 100% de aprovação no Rotten. Twin Peaks é uma série que não foi construída para entender, é uma série feita para viver uma experiência.


4. The Haunting of Hill House (2018 -,  Mike Flanagan)

The Haunting of Hill House é uma série de televisão de terror sobrenatural americana criada por Mike Flanagan. É baseado no livro de 1959 do mesmo nome de Shirley Jackson, e estreou no Netflix. A primeira temporada consiste em dez episódios e foi lançado em 12 de outubro de 2018. (Wikipédia)

Se é pra agradecer algo a alguma entidade divina, o momento é agora. Ter ficado com a lista para a semana nove e ter a oportunidade de falar dessa série maravilhosa só pode ser intervenção divina. Essa série me colocou em um estado de loop que poucas séries conseguem me colocar e olha que eu assisto muita (MUITA!) série. Assim que eu terminei de assistir, fui imediatamente recomeçar porque eu precisava juntar as peças do que eu havia acabado de ver. O elenco é impressionante, a empatia que cada personagem te gera, um sentimento de familiaridade, e mesmo sendo muitos personagens você consegue falar sobre cada um deles como se os conhecesse. Eu nunca fui fã de obras com fantasmas, mas essa série arrepiou cada fiozinho do meu corpo e ganhou meu coração.

5. The Invisible (2007, David S. Goyer)

Nick Powell é um jovem escritor de sucesso. Após sofrer um ataque violento, fica preso em uma dimensão entre a vida e a morte onde os vivos não podem vê-lo e está ameaçado de ficar perdido para sempre. (Wikipedia)

Esse foi meu primeiro filme de terror da vida. Eu tinha uns 12 anos, meu pai alugou na locadora do bairro e eu fiquei OBCECADA com esse filme. Um filme pouquíssimo conhecido, e nem todas as atuações te convencem, mas para quem gosta de terror psicológico, não se importa com violência, belas fotografias e um roteiro que te causa angustia constante: esse filme é para você. A primeira cena desse filme é um plano sequência lindíssimo, você quase sente o peso nos ombros do protagonista. Vale a pena.

6. Psycho (1960, Alfred Hitchcock)

Após roubar 40 mil dólares para se casar com o namorado, uma mulher foge durante uma tempestade e decide passar a noite em um hotel que encontra pelo caminho. Ela conhece o educado e nervoso proprietário do estabelecimento, Norman Bates, um jovem com um interesse em taxidermia e com uma relação conturbada com sua mãe. O que parece ser uma simples estadia no local se torna uma verdadeira noite de terror. (Wikipedia)

Tentei fugir dos clichês e deixar essa lista sem os clássicos mas hoje eu reassisti esse filme e não tem como, Psicose merece estar em todo top 10 de obras do terror. A tensão que se mantém do início do filme até o final, um acontecimento atrás do outro em uma época em que os filmes costumavam ser mais lentos, um plot twist seguido de outro, as atuações, os figurinos. Esse filme entrega uma tensão contínua com um suspense denso, e te obriga a mergulhar nas histórias do Hotel Bates.

7. Mother! (2017, Darren Aronofsky)

Uma mulher pensa que terá um final de semana tranquilo com o marido em casa. Porém, começam a chegar diversos convidados na residência dos dois. Isso faz com que o casamento deles seja testado das mais variadas maneiras. (Wikipedia)

Esse filme é pura poesia e literatura. Mas não de uma forma doce e delicada, e sim da forma mais brutal e detalhista possível. Esse filme vai além do roteiro inteligente, ele é uma experiência que só Darren Aronofsky pode entregar. Ele te transporta para uma atmosfera tão sufocadora e claustrofóbica que ao final do filme você chega a sentir um peso no peito. Já fiz um artigo aqui para o blog apenas sobre a grandiosidade das obras do Aronofsky, da qual eu sou muito fã, que pode ser conferido aqui.

8. A Quiet Place (2018, John Krasinski)

Em uma fazenda nos Estados Unidos, uma família do Meio-Oeste é perseguida por uma entidade fantasmagórica assustadora. Para se protegerem, eles devem permanecer em silêncio absoluto, a qualquer custo, pois o perigo é ativado pela percepção do som. (Wikipedia)

The Office é uma das minhas séries de confort tv show, aquela listinha de séries que a gente tem para assistir almoçando ou antes de dormir então pode-se imaginar meu choque ao assistir um filme desse porte dirigido pelo Jim! A fotografia e a mise-en-scène trazem ternura mas o filme entrega tudo na edição de som e essa por sua vez nos assusta de verdade com a resinificação do jumpscare. É um filme com apenas dois atos, mas quando o filme acaba parece que você ficou anos com aquela família.


9. Coherence (2014, James Ward Byrkit)

Quatro casais de amigos com um passado em comum se reúnem para jantar e para esperar que um cometa atravesse o céu. Entretanto, o fenômeno altera tudo. O desencadear de fatos estranhos os deixa incomunicáveis e sem luz no bairro inteiro, exceto por uma única casa a dois quarteirões. O pós-jantar se torna um pesadelo. (Wikipedia)

Coherence não é um filme para todo mundo. Ele até faz uso de jumpscare mas são muito fora do timing, mas o que é genial nesse filme é a claustrofobia e a utilização do terror para falar de ciência. Ele toma pouca licença poética e se baseia em mecânica quântica para o roteiro. Quem não gosta ou não entende de física não sai perdendo, o filme se explica a todo momento e não deixa o público saber menos que os personagens. Mas caso queira uma explicação completa sobre física quântica e as teorias desse filme, eu escrevi esse artigo de divulgação científica onde esse filme foi a base.

10. Dark (2017 -, Baran bo Odar e Jantje Friese)

Dark é uma websérie alemã de terror e ficção científica criada por Baran bo Odar e Jantje Friese e distribuída pela Netflix. (Wikipédia)

Quem me conhece sabe o quanto eu sou apaixonada por essa série. Sim, eu também tenho um artigo complexo e científico aqui no blog sobre a série, mas essa lista não seria completa se eu não a fechasse com chave de ouro. Essa série conversa comigo. Eu me sinto uma cidadã de Winden de tanto que eu já revisitei essa série e de tanto que já conversei com os personagens. Dark me trouxe uma visão niilista e ao mesmo tempo terna da ciência, essa série me consagrou como uma jornalista que trabalha pela ficção científica no Brasil, que me coroou como alguém "sem conserto" e me ajudou a ver que está tudo bem em ser assim. Dark é uma série ímpar que dispensa comentários sobre seus aspectos técnicos porque o que ela causa ao espectador, ultrapassa o convencional, é uma série para quem quer se sentir sacudido dentro da própria realidade. Talvez pelo ritmo lento, tipicamente europeu, não seja um conteúdo para todos, principalmente os que estão mais habituados com o ritmo estadunidense de produção audiovisual mas vale a pena dar uma chance.


 Assim eu finalizo minha lista, fazendo uma menção honrosa a AHS Cult, Coven e Apocalypse, além da novíssima 'O Mundo Sombrio de Sabrina' da qual já estou assistindo pela segunda vez!

Gostou da minha listinha? Acompanhe meus textos no Medium e aqui no Tudo Terror. Siga-me no Instagram e Twitter!
10 Semanas de Terror | Semana 9 com Larissa Limas 10 Semanas de Terror | Semana 9 com Larissa Limas Reviewed by Unknown on novembro 05, 2018 Rating: 5

Nenhum comentário

Masterchef

About Me
Munere veritus fierent cu sed, congue altera mea te, ex clita eripuit evertitur duo. Legendos tractatos honestatis ad mel. Legendos tractatos honestatis ad mel. , click here →