10 Semanas de Terror | Semana 7 com Iuri Rocha

Sétima semana (com um pouco de atraso) da nossa série especial de Halloween, o '10 Semanas de Terror'! E Nessa semana temos o Iuri. Para conferir as entrevistas anteriores, clique aqui.
"Eu sou Iuri Rocha, moro na Bahia, faço cinema e estudo o horror há um tempo já, tenho bastante interesse nesse gênero desde antes de entrar no curso de cinema, e quando entrei só ampliou mais ainda esse gosto porque conheci diversos gêneros específicos, que até me influenciaram no meu trabalho de conclusão de curso, e vanguardas artísticas diferentes que dialogam por vez com o horror."

TOP 10 IURI ROCHA



01 - O Exorcista (1973) - William Friedkin

Uma atriz vai gradativamente tomando consciência de que a sua filha de doze anos está tendo um comportamento completamente assustador. Deste modo, ela pede ajuda a um padre, que também é um psiquiatra, e este chega a conclusão de que a garota está possuída pelo demônio. Ele solicita então a ajuda de um segundo sacerdote, especialista em exorcismo, para tentar livrar a menina desta terrível possessão. (Wikipedia)

Iuri: Óbvio, por ser o melhor filme de terror já feito, algo totalmente inovador pra a época, primeiro filme de terror a ser indicado ao oscar, que na época era relevante, e ganhar duas de dez indicação foi algo que a partir daí revolucionou o gênero. Os efeitos especiais do filme, a parte técnica, principalmente de som e maquiagem, foi algo que marcaram demais além do marketing que foi feito sobre ele na época. E na minha experiencia pessoal foi o único filme de terror que me deixou com medo por mais de um dia, mesmo tendo assistido ele quando tinha uns 10, 11 anos, ainda quando vejo hoje sinto uns calafrios em algumas cenas. 

02 - Suspiria (1977)Dario Argento

Suspiria é um filme dirigido por Dario Argento estrelando Jessica Harper e Stefania Casini e as participações de Alida Valli e Joan Bennett em seu ultimo filme. Foi lançado em 1 de Fevereiro de 1977. (Wikipedia)

Iuri: eu fui bastante impactado quando vi Suspiria, do Dario Argento, filme que por ser europeu, tem uma aura diferente dos filmes americanos, que são quase hegemonia no horror. Lembro de quando vi uma cena específica (spoiler/ cena que uma das alunas morre enforcada) em Suspiria que fiquei boquiaberto, de como alguém tinha pensado naquilo, é angustiante. O filme inteiro é genial no pensamento de usar a direção de arte e a cor para construir tensão e angustia, cria uma atmosfera bem bizarra, igual tudo ali no roteiro, você sente realmente que tá ali naquela situação, ela te transporta pra dentro.  

03/04 - Tobe Hooper:  Massacre da Serra Elétrica (1974) 

William Tobe Hooper foi um diretor de cinema e TV, roteirista e produtor norte-americano mais conhecido por seus trabalhos com filmes de terror, criador de clássicos do cinema, como a obra-prima de Hooper, “O Massacre da Serra Elétrica”, filme de terror e “Poltergeist - O Fenômeno” (Wikipedia)

Iuri: Seguindo nessa onda da atmosfera filmica e de como ela transporta o espectador pra o filme, tenho mais dois filmes que estão na minha lista, e o primeiro é O Massacre da Serra Elétrica, o primeiro filme propriamente Slasher, Leatherface foi o pioneiro que abriu portas pra Michael Myers, Jason, Freddy Krueger e todos que vieram depois dele. O filme é cru, e essa crueza é passada na fotografia de forma incrível porque o Tobe Hooper, dirigiu muito bem o filme e toda a mise-en-scène, e deixa pra a fotografia, que é bem claustrofóbica e inquieta, te puxar pra dentro daquela casa cheia de gente perturbada. Toda essa crueza e crueldade que é mostrada no filme, que também teve uma grande estratégia de marketing, coisa que a gente vê muito no horror moderno, é o que mais faz com que ele seja especial pra mim, pois deu uma refrescada na linguagem do horror.

05 - The vvitc(2015) - Robert Eggers

Em uma fazenda no século 17, uma histeria religiosa toma conta de uma família que acusa a filha mais velha pelo desaparecimento do seu irmão ainda bebê. (Wikipedia)

Iuri: O outro que me chama bastante atenção nessa parte da atmosfera é mais recente, A Bruxa, se o massacre da serra eletrica te leva pra dentro do filme atraves da fotografia, a bruxa é no som, a trilha sonora é angustiante. O modo que ela foi feita, totalmente orgânica pelo Mark Korven, com o uso de coral e instrumentos não muito convencionais, sons dissonantes e polifônicos, causa uma sensação muito grande de desconforto, que casa muito bem com o que vemos, desde as cenas normais na casa, às cenas em que alguma bruxa aparece. É esse som também que dá vida à floresta, que faz com que ela seja temida a todo momento no filme, como se ela fosse um personagem também e tivesse o tempo todo observando-os. A Bruxa tá aqui também por ser um filme de um estúdio novo e independente que vem fazendo bastante sucesso, o A24, que fez Hereditário recentemente, A Ghost Story, e os filmes fora do horror, Lady Bird, O Lagosta, Projeto Flórida, e ganhou até o oscar com Moonlight. Ele é feito por gente nova, o que deu esse frescor num gênero que tava saturado em todas as suas vertentes, foi o primeiro filme do Robert Eggers, e produzido por um brasileiro também, Rodrigo Teixeira. 

06 - Nosferatu (1922) F. W. Murnau

O corretor de imóveis Hutter precisa vender um castelo cujo proprietário é o excêntrico conde Graf Orlock. O conde, na verdade, é um vampiro milenar que espalha o terror na região de Bremen, na Alemanha e se interessa por Ellen, a mulher de Hutter. (Wikipedia)



Iuri: Agora voltando uns 90 anos no tempo, tem o Nosferatu, que é o filme mais sombrio que já vi na vida, o primeiro vampiro, o mesmo da mesma história da Bram Stoker, só que com um ar monstruoso. Conheci quando eu estudava sobre o expressionismo alemão, e como eles pegavam as angustias de uma época ruim, no pós primeira guerra mundial, em que a Alemanha e a Europa tavam destruídas, e colocavam esse sentimento nos filmes, assim como foi o expressionismo nas artes plásticas no começo do século 20. O expressionismo do cinema pegava as referências de cores e sombras e colocam nos filmes, o que faziam parecer uma pintura de Munch em movimento, especialmente em O Gabinete do Doutor Caligari, outro da minha lista que me influenciou muito.  

07 -  Taxidermia (2006)György Pálf

Baseado na obra do popular escritor húngaro Lajos Parti Nagy, o filme retrata 60 anos da história na Europa Central através das vidas quebradas de três gerações: avô, pai e filho. (Wikipedia)

Iuri: Seguindo por esse lado mais artístico, tem Taxidermia, um filme hungaro do diretor György Pálfi, que já tem uma linha mais nonsensebecketiana, que trata das obsessões de uma forma exagerada e banal, lembrando muito o teatro do absurdo de Samuel Beckett ou Eugène Ionesco. Ele tem uma linguagem que aproxima bastante do drama e uma maneira de contar a história bem diferente do horror tradicional americano, mostrando uma influência muito forte do cinema do leste europeu, distante, apático e frio.  

08 - Begotten (1990)E. Elias Merhige

Begotten é um filme experimental/Filme de terror de 1991, escrito e dirigido por E. Elias Merhige. Aclamado pela crítiica, o filme lida fortemente com religião e com a história bíblica do Gênesis e da Criação. (Wikipedia)

Iuri: próximo da lista é um totalmente abstrato e experimental, que é Begotten, o mais difícil desses de assistir por que ele é totalmente subjetivo, preto e branco, sem diálogo e som nenhum no filme, a não ser uma pequena trilha de fundo que é quase imperceptível. Lembro de quando eu vi ele e fiquei impressionado de como um filme desse tipo, antes de entrar na faculdade, que até então eu não conhecia nada sobre o avantgard no cinema, e como ele conseguiu me prender nas 1 hora e 10 quase que de forma sobrenatural e me deixar querendo saber tudo sobre aquele filme, e ir ler vários artigos que o citava, foi a primeira vez que percebi que eu já estava entrando na pesquisa cinematográfica. 

09 - Hora do Pesadelo (1986) -  Wes Craven

Um grupo de adolescentes tem pesadelos horríveis, em que são atacados por um homem deformado com garras de aço. Ele apenas aparece durante o sono e, para escapar, é preciso acordar. Os crimes vão ocorrendo seguidamente, até que se descobre que o ser misterioso é na verdade Freddy Krueger, um homem que molestou crianças na rua Elm e que foi queimado vivo pela vizinhança. Agora, Krueger pode ter retornado para se vingar daqueles que o mataram, através do sono. (Wikipedia)

Iuri: Indo pros anos 80, na época mais trash do horror, e trash não digo no sentido pejorativo e sim como estética mesmo, veio dois filmes que tão pra sempre na minha vida, o primeiro foi A Hora do Pesadelo, porque ele foi o filme que eu assisti e virei fã de horror, porque até então eu só tinha assistido O Exorcista, e eu era muito novo, não sabia direito do que se tratava, mas com o filme de Freddy Krueger foi diferente. O primeiro dos filmes que os vilões eram os personagens principais, de certa forma, que me chamou atenção, muito antes de Jason, Michael Myers e Leatherface. Eu assisti ele e logo no outro dia levei pra meus amigos verem também e a gente começou a fazer uma espécie de cineclube do horror, a gente ia nas locadoras de dvd e sair com 2 ou 3 filmes cada um e ia passar o final de semana todo vendo e comentando sobre eles.

10 - Hellraiser (1990) - Clive Barker

Frank, um pervertido sexual, compra um cubo mágico e abre a porta de uma dimensão cheia de dor e tortura. Quando uma antiga amante se muda para sua casa, ele tenta convencê-la a ajudá-lo a voltar ao mundo dos vivos. (Wikipedia)

Iuri: E no meio dessas sessões teve o filme Hellraiser, o último dessa lista, que me chocou na época, quando eu tinha uns 15 anos, aqueles demonios sádicos saindo de um cubo e estraçalhando quem encontrasse, e com um discurso anticristão e amoral muito interessante por trás, acho que o primeiro filme de terror “político” que eu tinha visto, infelizmente assim como A Hora do Pesadelo a franquia se perdeu e virou uma bagunça, mas os três primeiros filmes tem cenas bastante memoráveis e icônicas. 

Passando pela a Europa conturbada do pós primeira guerra, pela a aura soturna e misteriosa dos anos 70, a aura oitentista do começo das franquias, até ao horror pós 2000, uma época de renovação, foram esses os filmes que mais me marcaram desse gênero e fazem o meu top 10. 

Gostou da lista e quer conhecer melhor o Iuri? Siga-o no Twitter!
10 Semanas de Terror | Semana 7 com Iuri Rocha 10 Semanas de Terror | Semana 7 com Iuri Rocha Reviewed by Unknown on outubro 23, 2018 Rating: 5

Nenhum comentário

Masterchef

About Me
Munere veritus fierent cu sed, congue altera mea te, ex clita eripuit evertitur duo. Legendos tractatos honestatis ad mel. Legendos tractatos honestatis ad mel. , click here →