REVIEW: Verónica (2017)

Verónica traz os eventos de uma ligação de emergência para a polícia de Madrid em 1991. As primeiras cenas mostram a chamada de emergência e a chegada da polícia no local, e depois corta para três dias antes do incidente. O local do ocorrido é a casa de Verónica, uma jovem que tem que tomar conta de seus três irmãos por causa de sua mãe, que está sempre trabalhando. 

O filme começa com Verónica e três amigas performance um ritual com um tabuleiro Ouija para tentar se comunicar com seu falecido pai. O ritual acontece e Verónica parece ser pessoalmente afetada por ele. 

Coisas muito estranhas rapidamente começam a acontecer na casa de Verónica: ela tem uma breve paralisia durante o almoço, seu irmão tem o corpo queimado durante o banho, coisas ligando sozinhas... enfim, tudo de paranormal que pode acontecer, acontece. Uma entidade muito magra, quase esquelética, faz a primeira aparição no filme nesse momento. 


A entidade continua assombrando Verónica e sua família e os pesadelos da jovem só pioram, o que começa a levá-la ao desespero. Verónica chega à informação, então, que o único jeito de acabar com isso é mandar a entidade (que agora se identifica como o pai das crianças) pela mesma porta que ela abriu. Para isso, ela deve se despedir do jogo da forma correta, já que aquilo que você não se despede, permanece com você. 

Verónica junta suas irmãs para realizar a despedida do jogo em sua casa, já que suas amigas negaram ajuda. A entidade se recusa a despedir-se e o filme chega ao ponto em que começou, com a ligação da jovem à polícia de Madrid. As duas irmãs mais novas escapam e Verónica volta para buscar seu irmão, apenas para descobrir que ela é a entidade, e não seu pai. Ela, ao perceber isso, se sacrifica para salvar seu irmão. 

Num geral, o filme é uma boa representação do terror espanhol, com um história que pode soar clichê, mas que te prende até o final. Queria elogiar, principalmente, o responsável pela trilha sonora e efeitos sonoros do filme, que foi realmente muito bom.

Verónica traz o seu espectador para a ponta do seu assento enquanto constrói uma assombração misteriosa. Não é algo genial, mas definitivamente um bom uso do seu tempo.

3,5/5

REVIEW: Verónica (2017) REVIEW: Verónica (2017) Reviewed by Unknown on março 11, 2018 Rating: 5

Nenhum comentário

Masterchef

About Me
Munere veritus fierent cu sed, congue altera mea te, ex clita eripuit evertitur duo. Legendos tractatos honestatis ad mel. Legendos tractatos honestatis ad mel. , click here →