REVIEW: Suspiria (1977)

Poucas vezes tive a oportunidade de uma experiência tão sinestésica quanto esta obra prima. Uma paleta fortíssima e uma trilha arranjada para arrepiar dos pés a cabeça conduzem essa danse macabre que é Suspiria. Talvez pelo fato de ser um fã, ou pela empenho de seus diretores, os filmes antigos me parecem melhor orquestrados dos hollywoodianos que estamos acostumados. E este é um exemplo vivo.


Numa história que tenta agradar aos italianos e ao mesmo tempo aos americanos (com atores americanos e um inglês desajeitado), Dario Argento, assim como em Inferno, aposta na sua marca registrada que, diga-se de passagem, nunca falhou. Alguém poderá notar semelhanças ao clima criado por Polanski em O Bebê de Rosemary quando um suspense e clímax são bem dosados de modo a conquistar os nossos olhares e atenção. Tudo começa quando, numa noite chuvosa, uma estudante de dança chega à sua nova academia, longe de casa. Não ciente da história que ronda a cidade e do passado obscuro da academia, a dançarina novata adentra numa atmosfera colorida e barulhenta, permeada por histórias de bruxas e assassinatos misteriosos desde uma garota presa em rolos de aço até um cachorro guia que devora o seu dono cego.  

Vale dizer que Argento é potente quando se fala em estética, e os seus enquadramentos provocam simetrias extraordinárias de encher os olhos. As cores vibrantes perseguem os personagens e a perturbação visual se torna uma aquarela fatal. A trilha fica por conta por assobios, passos ressonados, sussurros e gritos assustadores e cada noite é um tormento para as personagens.

Essa valsa sombria combina com os cenários, eletrizantes em suas formas e texturas, e se  o telespectador for atento perceberá referências genias como Sky and Water de MC Escher numa das paredes e pinturas que revelam salas luxuosas com papeis de parede ao estilo Hokusai.

Esta obra prima do cinema de horror ganhará um remake próximo ano, e contamos com a participação de nomes de peso como a gloriosa Tilda Swinton como Blanc, Chloe Grace Moretz como Pat e Mia Goth como Sara. Está com lançamento previsto para o proximo ano, com nova direção. Promete muitas surpresas...


REVIEW: Suspiria (1977) REVIEW: Suspiria (1977) Reviewed by Filippo Skandar on dezembro 22, 2017 Rating: 5

Nenhum comentário

Masterchef

About Me
Munere veritus fierent cu sed, congue altera mea te, ex clita eripuit evertitur duo. Legendos tractatos honestatis ad mel. Legendos tractatos honestatis ad mel. , click here →